O que torna a população sem abrigo mais vulnerável?
O Impacto do VIH
População sem abrigo
O que torna a população sem abrigo mais vulnerável?

A população Sem-abrigo encontra-se, geralmente, a viver em situações de vida precárias, típicas de comunidades empobrecidas e muitos vulneráveis à infeção pelo VIH. Assim, os comportamentos de risco são mais prováveis e podem, por isso, resultar num maior número de casos de infeção.

A população sem-abrigo também é uma população com maior probabilidade de distúrbios mentais, de consumos elevados de álcool e de substâncias ilícitas comparativamente com a população em geral. Uma estimativa realizada nos EUA em 2000 à População Sem Abrigo, aponta que 88% dos homens solteiros e 69% das mulheres solteiras, sofrem, pelo menos de um destes três distúrbios. Em termos gerais, quase um quarto dos homens solteiros sofre de um grave distúrbio mental. A impulsividade e a dificuldade de raciocínio muitas vezes associada com a doença mental ou o abuso de substâncias ilícitas contribuem para comportamentos de risco, tais como, sexo desprotegido, múltiplos parceiros, partilha de seringas ou trabalho sexual.

As condições da população sem-abrigo e a extrema pobreza em que vivem também contribuem para comportamentos de risco. Por exemplo, a maioria dos abrigos existentes não oferecem condições de privacidade, pois os quartos e as casas de banho são partilhados por homens e mulheres. Tendo em conta estas restrições, torna-se mais difícil existir estabilidade nas relações sexuais.

Outras características que são comuns entre a população sem-abrigo e que estão associadas à infeção pelo VIH e aos comportamentos de risco incluem: escasso suporte social e experiências de infância traumáticas como por exemplo, abusos físicos e sexuais, violações, violência doméstica e outras histórias traumáticas.

Partilhar Share to Facebook
Se reside na linha de Cascais, venha fazer o teste para o VIH na SER+

Poderá conhecer o seu estatuto serológico para o VIH, Hepatites B, C e Sífilis, nas instalações da SER+. O teste é gratuito, anónimo e confidencial.

Às 2.ª, 4.ª e 6.ª feiras de manhã, entre as 9h e as 12h30. Às 3.ª e 5.ª, à tarde, entre as 14h e as 16h30.

Não precisa de marcação. É por ordem de chegada.

Qualquer dúvida, contacte-nos para o número: 214 814 130 ou para o telemóvel: 917 553 488.

Se a sua organização trabalha com populações vulneráveis ao VIH, Hepatites víricas e outras ISTs e, se pretende distribuir preservativos gratuitamente assim como ensinar a utilizá-los correta e consistentemente, contacte-nos!
Entrega de Medicação em casa - Se for utente do Hospital de Cascais, adira. Se quer saber mais, clique aqui e peça informações.
Centro Anti-discriminação e apoio jurídico.
Legislação e Direitos das Pessoas Infetadas pelo VIH e/ou SIDA - ?O desconhecimento dos direitos e os obstáculos ao acesso aos mecanismos de resposta continuam a dificultar a acção perante práticas discriminatórias e, consequentemente, o seu combate eficaz.?
Novo espaço de atendimento às pessoas que vivem com o VIH. Maior acessibilidade e maior regularidade no acompanhamento psicossocial.