O que Fazemos
Apoio na Redução do nº de Casos de Discriminação » Formações
Estruturas de Reclusão
Ação de Formação:

Reclusos, Guardas Prisionais, Técnicos Reeducação e Assistentes Técnicos do Estabelecimento Prisional do Linhó

Sintra - Linhó

"ReAge" no Estabelecimento Prisional do Linhó

O Estabelecimento Prisional do Linhó é uma prisão de alta segurança, onde se encontram apenas presos condenados (e não preventivos), a sua maioria com penas longas. Tem no total cerca de 400 reclusos, estando a maioria em regime fechado (divididos por 3 Alas - A, B e C) e os restantes em regime aberto, podendo estes estar incluídos no RAVI (Regime Aberto Voltado para o Interior - dormem e trabalham num complexo anexo ao edifício principal da prisão, com medidas de segurança reduzidas) ou no RAVE (Regime Aberto Voltado para o Exterior - dormem nesse complexo mas têm já o seu local de trabalho no exterior). O projeto ReAge abrangeu, nos seus 3 anos de intervenção, 340 pessoas, dos quais 301 reclusos.

População abrangida pelo Projeto ReAge

Sintra - Linhó

É vasta a bibliografia que aponta a comunidade reclusa como um alvo prioritário de intervenção ao nível do VIH/Sida, assumindo-se o contexto prisional como um meio privilegiado para a prevenção primária, secundária e terciária, uma vez que permite o acesso a uma população com um elevado número de comportamentos de risco (As prisões e HIV/SIDA, ONUSIDA, 2001). De facto, apesar de há muito já se ter abandonado a noção de "grupos de risco" está documentado que esta infeção e outras como as Hepatites afetam com especial incidência o ambiente prisional, não se podendo excluir a existência de comportamentos de risco como a partilha de material de consumo e/ou cortante, e as relações homossexuais e heterossexuais não protegidas (Sida em meio prisional, 2007). Para fazer face a esta problemática a Ser+ iniciou em 2006 uma parceria com o Estabelecimento Prisional do Linhó concretizando o projeto "Falar de Sida no E.P.Linhó" que contemplou algumas sessões de formação a técnicos e outras a grupos de reclusos. Com base nesta experiência e também no Programa de Combate à Propagação de Doenças Infeciosas em Meio Prisional (Junho de 2006) foi elaborado o projeto "ReAge" delineado em conjunto com coordenadores, educadores e clínicos do E. P. Linhó, que pretendeu alargar o trabalho iniciado a mais agentes e contextos desta comunidade prisional.

Objectivos Gerais

  1. Diminuir em 15% o nº de reclusos do E.P. Linhó, com comportamentos de risco face ao VIH/Sida;

  2. Aumentar o bem-estar físico, psíquico e social de 70% dos reclusos do E.P. Linhó infetados com VIH/Sida.

Ojectivos Especificos

  1. Aumentar em 50% o nível de conhecimentos corretos sobre IST e sexualidade nos reclusos;

  2. Aumentar em 15% o nível de competências pessoais e sociais nos reclusos;

  3. Aumentar em 15% a perceção de risco face a IST nos reclusos;

  4. Melhorar em 15% a atitude dos reclusos face ao preservativo;

  5. Aumentar em 50% os locais e formas de acesso a preservativos por parte dos reclusos;

  6. Diminuir em 30% as atitudes e comportamentos de discriminação face aos seropositivos na comunidade prisional;

  7. Melhorar o acompanhamento de 70% dos reclusos infetados por VIH/Sida.

 

Actividades

  Atividade   Indicadores
 
1. Implementação de uma disciplina de "Educação para a Saúde" na Escola do E. P. Linhó - ala B  
  • 141 reclusos abrangidos
  • 128 sessões realizadas
  • Assiduidade média de 73%
  • Avaliação da satisfação com a formação entre o Bom e o Muito Bom (4,5 numa escala de 5 valores)
 
2. Sessões de "Saúde no Trabalho" a reclusos em contexto laboral ou de formação profissional  
  • 61 reclusos abrangidos
  • 7 Sessões
 
3. Formação realizada aos reclusos da Ala A  
  • 13 reclusos abrangidos
  • 4 Sessões
 
4. Encontros temáticos para guardas e outros técnicos do E. P. Linhó  
  • 55 colaboradores do E.P.Linhó abrangidos
  • 10 sessões realizadas
  • Conceção e distribuição de fascículos colecionáveis com a informação trabalhada
 
5. Aconselhamento na área da sexualidade, IST e prevenção  
  • 66 reclusos atendidos
  • 134 atendimentos realizados
 
6. Acompanhamento / aconselhamento individual a reclusos que vivem com VIH  
  • 20 reclusos abrangidos
  • 189 atendimentos realizados
 
7. Criação de novos locais de livre acesso a preservativos no E.P. Linhó  
  • Criação de 11 novos locais de distribuição gratuita de preservativos.

 

Resultados

Preventivos face ao VIH/Sida, no início e no final do mesmo. O Para avaliar o impacto dos 3 anos de projeto, foi passado um questionário sobre comportamentos questionário abrangeu uma amostra aleatória e estratificada da população reclusa do E.P. Linhó (85 reclusos no início e 100 reclusos no final). Os resultados foram analisados recorrendo ao teste estatístico T-Student, para amostras independentes (α≤0,05), sendo os resultados mais significativos apresentados no gráfico 4.

Comportamentos de risco face ao VIH relatados pelos reclusos, antes e após o projeto

Aos reclusos com quem realizámos uma intervenção mais prolongada ao nível da educação para a saúde, foi passado, no início e final de cada ano, um questionário de "Conhecimentos, atitudes e comportamentos face à Saúde", que avaliava diferentes fatores. Os resultados obtidos em cada um encontram-se descritos no gráfico 5. São consideradas significativas as mudanças verificadas nos fatores "conhecimentos e atitude face à sexualidade e saúde"; "conhecimentos e crenças sobre VIH/Sida e outras IST", "atitude em relação ao uso do preservativo" e "comportamentos preventivos" (teste estatístico T-Student, para amostras emparelhadas, α≤0,01) e ainda na "Atitude face às pessoas que vivem com VIH" (teste estatístico T-Student, para amostras emparelhadas, α≤0,1).

 

Análise do Questionário de Conhecimentos, atitudes e comportamentos face à saúde

Para avaliar o impacto do acompanhamento psicológico que fornecemos aos reclusos que vivem com a infeção VIH, pediu-se que preenchessem, no início e final da intervenção, o Personal Wellbeing Índex, de modo a avaliar o seu bem-estar subjetivo. Em média, este aumentou de 47,5 para 53,2, tendo-se verificado uma diferença estatisticamente significativa em 2 dos 8 domínios avaliados, nomeadamente nos respeitantes à "satisfação com o seu nível de vida", e "sentimento de pertença à comunidade" (teste estatístico T-Student, para amostras emparelhadas, α≤0,01).

 

Recursos humanos

Ana Luísa Duarte - Coordenadora do Projeto
Joana Tavares de Almeida - Apoio técnico ao Projeto
Liliana Domingos - Conceção e implementação das sessões de Educação para a Saúde
Ana Filipa Lopes - Implementação do gabinete de aconselhamento /acompanhamento individual

 

Parcerias

Estabelecimento Prisional do Linhó
Coordenação Nacional para a Infeção VIH/Sida

 

Calendarização

De Setembro de 2008 a Setembro de 2011

Partilhar Share to Facebook
Se reside na linha de Cascais, venha fazer o teste para o VIH na SER+

Poderá conhecer o seu estatuto serológico para o VIH, Hepatites B, C e Sífilis, nas instalações da SER+. O teste é gratuito, anónimo e confidencial.

Às 2.ª, 4.ª e 6.ª feiras de manhã, entre as 9h e as 12h30. Às 3.ª e 5.ª, à tarde, entre as 14h e as 16h30.

Não precisa de marcação. É por ordem de chegada.

Qualquer dúvida, contacte-nos para o número: 214 814 130 ou para o telemóvel: 917 553 488.

Se a sua organização trabalha com populações vulneráveis ao VIH, Hepatites víricas e outras ISTs e, se pretende distribuir preservativos gratuitamente assim como ensinar a utilizá-los correta e consistentemente, contacte-nos!
Entrega de Medicação em casa - Se for utente do Hospital de Cascais, adira. Se quer saber mais, clique aqui e peça informações.
Centro Anti-discriminação e apoio jurídico.
Legislação e Direitos das Pessoas Infetadas pelo VIH e/ou SIDA - ?O desconhecimento dos direitos e os obstáculos ao acesso aos mecanismos de resposta continuam a dificultar a acção perante práticas discriminatórias e, consequentemente, o seu combate eficaz.?
Novo espaço de atendimento às pessoas que vivem com o VIH. Maior acessibilidade e maior regularidade no acompanhamento psicossocial.