A epidemiologia
O VIH/SIDA
No mundo
A epidemiologia

Três décadas após o aparecimento do VIH, o balanço é trágico: o número de pessoas que vivem com o VIH subiu de 8 milhões em 1990 para 34 milhões em 2010, metade das quais são mulheres (17 milhões) e 10% (3,4 milhões), jovens com menos de 15 anos. Em 2010 estima-se que tenham ocorrido 2,7 milhões de novas infeções pelo VIH e tenha havido 1,8 milhões de mortes devido à infeção.

Embora a infeção pelo VIH e a SIDA se encontrem em qualquer parte do mundo, algumas áreas são mais afetadas que outras. A região mais afetada, com cerca de 68% dos casos, é a África Subsariana, onde, em alguns países, mais do que um em cada cinco adultos estão infetados pelo VIH. A epidemia está a espalhar-se muito rapidamente na Europa Oriental e na Ásia Central onde o número de pessoas que vivem com a infeção mais que triplicou entre 2000 e 2010, devido a políticas de droga punitivas, discriminação e acesso insuficiente a medicamentos e tratamento.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que a região registou 170.000 novas infeções de VIH no ano de 2010. As novas infeções na região sofreram um aumento de 22% desde 2005 e não mostram quaisquer sinais de abrandar. O uso de drogas injetáveis é responsável por 70% dos novos casos.

A Rússia e a Ucrânia são amplamente reconhecidas como o epicentro da epidemia. A terapêutica de substituição opiácea (TSO), um tratamento padrão fornecido aos consumidores de heroína em muitas partes do mundo, é ilegal na Rússia.

Apesar de a TSO e os programas de troca de agulhas terem apoio ostensivo do governo na Ucrânia, “A intimidação física e de outras naturezas em torno dos utilizadores de drogas é uma prática de rotina da polícia”, declarou um porta-voz da Aliança Internacional HIV/SIDA residente no país. Além disso, o grupo relata que a recusa ao tratamento antiretrovírico a utilizadores de droga infetados é um “problema comum.”

“Na maior parte dos países pós-Soviéticos, onde o VIH continua concentrado entre os utilizadores de drogas injetáveis, a existência de políticas punitivas e severas em relação ao seu uso e a discriminação nos locais que prestam cuidados de saúde perpetuam uma resposta à SIDA deficiente”, notou Daniel Wolfe, diretor do Programa Internacional de Desenvolvimento de Redução de Danos da Fundação Sociedade Aberta.

mapWorld pacifico asia europorientalasiacentral aflestesul afocidentalcentral mediorienteafrica europa americanorte americacaraibas americalatina
Fonte: ONUSIDA, 2012
Partilhar Share to Facebook
Se reside na linha de Cascais, venha fazer o teste para o VIH na SER+

Poderá conhecer o seu estatuto serológico para o VIH, Hepatites B, C e Sífilis, nas instalações da SER+. O teste é gratuito, anónimo e confidencial.

Às 2.ª, 4.ª e 6.ª feiras de manhã, entre as 9h e as 12h30. Às 3.ª e 5.ª, à tarde, entre as 14h e as 16h30.

Não precisa de marcação. É por ordem de chegada.

Qualquer dúvida, contacte-nos para o número: 214 814 130 ou para o telemóvel: 917 553 488.

Se a sua organização trabalha com populações vulneráveis ao VIH, Hepatites víricas e outras ISTs e, se pretende distribuir preservativos gratuitamente assim como ensinar a utilizá-los correta e consistentemente, contacte-nos!
Centro Anti-discriminação e apoio jurídico.
Legislação e Direitos das Pessoas Infetadas pelo VIH e/ou SIDA - ?O desconhecimento dos direitos e os obstáculos ao acesso aos mecanismos de resposta continuam a dificultar a acção perante práticas discriminatórias e, consequentemente, o seu combate eficaz.?
Novo espaço de atendimento às pessoas que vivem com o VIH. Maior acessibilidade e maior regularidade no acompanhamento psicossocial.
Plano Estratégico
Estatutos
Donativos
Facebook
© 2017 SER +. Todos os Direitos Reservados.
Design e Desenvolvimento: Vectweb®SM