Introdução
O Impacto do VIH
Trabalhadores do Sexo
Introdução

Durante anos, a chamada "prostituição" tem sido um tema muito debatido quando se fala em VIH e/ou SIDA. E porque razão?

  • Porque em muitos e diferentes países, a incidência da infeção pelo VIH tem sido descoberta entre pessoas que em troca de dinheiro, vendem sexo. Até mesmo onde a prevalência da infeção pelo VIH é baixa, nesta população específica, é normal ser mais alta do que a média encontrada na maioria da população geral.
  • Porque, normalmente, os trabalhadores do sexo, têm um elevado número de diferentes parceiros. Isto significa, que se ficarem infetados pelo VIH, há uma maior probabilidade de transmitirem a infeção aos seus múltiplos parceiros.
  • Prevenir a infeção pelo VIH entre as pessoas que estão envolvidas na indústria do sexo, tem mostrado ser fundamental para travar esta epidemia, em muitos países.

Prostitutas (os) ou trabalhadoras(es) do sexo? Clique e saiba a diferença

Os trabalhadores do sexo (TS), juntamente, com outros grupos marginalizados, como os Homens que têm sexo com outros Homens (HSH) e os utilizadores de drogas injetáveis (UDI), são muitas vezes rotulados como "Grupos de alto Risco" no contexto desta infeção. Mas, o debate sobre o papel dos Trabalhadores do Sexo na resposta à epidemia, muitas vezes polariza opiniões. Enquanto alguns argumentam que esta população está erradamente a ser retratada como propagadora da infeção pelo VIH, outros pregoam que a transmissão pelo VIH através de sexo comercial conduz à epidemia.
A verdade é que a situação difere de país para país de região para região. Enquanto a prevalência do VIH é alta entre os Trabalhadores do Sexo em algumas áreas do globo, noutras não. Por exemplo, na maior parte da Europa Ocidental e da América do Norte, a transmissão pelo VIH através de sexo pago, não é considerado um grande problema, em algumas regiões da Ásia, já é.

Em Portugal para colmatar a lacuna ao nível da caracterização e conhecimento da prevalência da infeção VIH e os fatores comportamentais e sociais associados a esta população em Portugal, o GAT, no âmbito do projeto "PREVIH: Infeção VIH nos grupos de Homens que têm Sexo com Homens e Trabalhadores Sexuais: Prevalência, Determinantes e Intervenções de Prevenção e Acesso aos serviços de Saúde", decidiu, por um lado, produzir conhecimento que sustente intervenções específicas e direcionadas ao nível da informação, prevenção, rastreio/diagnóstico do VIH e referenciação hospitalar e, por outro, que contribuísse para a redução da transmissão da infeção nestes grupos. A realização deste estudo contou com a sociedade civil, elementos das comunidades HSH, TS e organizações governamentais participando ativamente em todas as fases do projeto.

Os dados recolhidos e tratados durante a 1.ª fase desta investigação a nível nacional, trouxe a Portugal uma realidade alarmante em relação aos trabalhadores do sexo. Os dados recolhidos no nosso país apontam para números superiores aos da Europa, acima de 6% (mulheres: 6,1%; homens: 9,2% e TGS: 10%), sendo essencial e urgente conhecer melhor esta população para desenvolver estratégias adequadas e de proximidade.

A 2ª fase do estudo está a ser desenvolvida em moldes um pouco diferentes do estudo anterior e está a decorrer no último trimestre de 2012, onde contará, entre outras, com a participação da SER+, de forma, a conhecer-se a realidade no Concelho de Cascais.

Os clientes são muitas vezes, referidos como uma "ponte" da população para a transmissão pelo VIH, o que significa que os TS funcionam como um elo de ligação entre os grupos de alto risco e a população em geral. Muitas mulheres não usam preservativo durante o ato sexual com os seus maridos e, por isso, podem estar a pôr-se em risco se os seus companheiros forem clientes dos TS. Isto é, particularmente, verdade para as companheiras dos trabalhadores imigrantes, que se deslocam com muita frequência e por longas temporadas. Tem-se verificado em muitos estudos por todo o globo, uma elevada prevalência entre os clientes homens dos TS.
Filme gentilmente cedido pela Direção Geral de Saúde, no âmbito do Programa Nacional para o VIH/SIDA
Partilhar Share to Facebook
Se reside na linha de Cascais, venha fazer o teste para o VIH na SER+

Poderá conhecer o seu estatuto serológico para o VIH, Hepatites B, C e Sífilis, nas instalações da SER+. O teste é gratuito, anónimo e confidencial.

Às 2.ª, 4.ª e 6.ª feiras de manhã, entre as 9h e as 12h30. Às 3.ª e 5.ª, à tarde, entre as 14h e as 16h30.

Não precisa de marcação. É por ordem de chegada.

Qualquer dúvida, contacte-nos para o número: 214 814 130 ou para o telemóvel: 917 553 488.

Se a sua organização trabalha com populações vulneráveis ao VIH, Hepatites víricas e outras ISTs e, se pretende distribuir preservativos gratuitamente assim como ensinar a utilizá-los correta e consistentemente, contacte-nos!
Centro Anti-discriminação e apoio jurídico.
Legislação e Direitos das Pessoas Infetadas pelo VIH e/ou SIDA - ?O desconhecimento dos direitos e os obstáculos ao acesso aos mecanismos de resposta continuam a dificultar a acção perante práticas discriminatórias e, consequentemente, o seu combate eficaz.?
Novo espaço de atendimento às pessoas que vivem com o VIH. Maior acessibilidade e maior regularidade no acompanhamento psicossocial.
Plano Estratégico
Estatutos
Donativos
Facebook
© 2017 SER +. Todos os Direitos Reservados.
Design e Desenvolvimento: Vectweb®SM